fbpx

Como funciona os algoritmos do Facebook e Instagram

#Quer aprender mais sobre métricas nas redes sociais? Veja a próxima turma de NUMBERShttp://bit.ly/numbers-atlas

——

A principal reclamação das marcas e negócios que estão nas redes sociais é sobre a diminuição no alcance orgânico que o Facebook proporciona. A cada ano, o alcance orgânico cai e a principal justificativa é que a rede social prioriza a experiência do usuário, onde conteúdo de marcas não é bem visto, ou seja, as pessoas não gostam de receber propagandas dentro das redes sociais. Quanto mais usuários aderindo ao Facebook, mais conteúdo pessoal será produzido e, consequentemente, é mais conteúdo que é priorizado em detrimento das marcas (páginas ou fanpages).

Contudo, muitas marcas, principalmente pequenas empresas, ainda apostam em posts orgânicos, ou seja, sem impulsionamento financeiro, para atingir sua audiência. Então, esses conteúdos ficam sujeitos ao funcionamento do algoritmo, que é o sistema do Facebook para exibir os conteúdos de acordo com os interesses dos usuários. O algoritmo funciona tanto para conteúdos de páginas quanto para conteúdos pessoais e posts de Instagram. Mas então como funciona o algoritmo do Facebook?

Entendendo como funciona o algoritmo do Facebook

Ninguém, além do próprio Facebook, sabe ao certo o segredo do algoritmo. Contudo, por meio das métricas e pesquisas divulgadas, conseguimos ter uma noção do que o algoritmo prioriza e o que ele desfavorece na timeline dos usuários.

Vale reforçar que, se você impulsionar o post, as regras do algoritmo não valem mais, já que você está pagando para atingir uma determinada audiência.

O princípio básico do algoritmo é que a timeline do usuário comum favorece o conteúdo que ele mais interage. Pode reparar: sua timeline sempre aparecem os posts dos seus familiares, amigos, grupos e páginas. Inclusive o próprio Facebook disponibiliza um recurso chamado See First (Ver primeiro) em que você seleciona os usuários, grupos ou páginas que você prioriza na sua timeline.

Gosto de dizer que o algoritmo funciona igual uma cebola: quando uma marca ou algum usuário posta no Facebook, as primeiras pessoas que irão ver esse post são os usuários que já tendem a se engajar com o conteúdo. Depois, ele exibe para quem tende a ter um pouco menos e assim vai, até o post não receber mais nenhum engajamento. Por isso que posts com altos engajamentos ficam durante dias recebendo curtidas, comentários e compartilhamentos.

Como isso impacta para sua marca? Bom, o Facebook entende que as pessoas possuem menos pré-disposição a interagir com conteúdos de marcas do que com conteúdos de outros usuários. Ou seja, os usuários dão mais curtidas, comentam mais e dão mais compartilhamentos em conteúdos de outros usuários do que de marcas.

Quando viramos fã de uma fanpage, o algoritmo do Facebook vai testar seu interesse na página exibindo alguns posts da página por uns dias. Se você interagir pouco nesse período, o algoritmo vai entender que a fanpage não é tão atraente pra você.

A imagem acima foi extraída de uma palestra na VidCon de 2018 com a diretora de marketing do Facebook. Ela mesma mostra o que é favorecido dentro da timeline do Facebook, já que o principal critério é a chance do usuário comentar o post, ou seja, o Facebook entende que os usuários tendem a comentar menos em conteúdo de páginas.

Então como aumentar meu alcance orgânico?

Resposta rápida: estimulando interações em seus posts. Agora, para essa tarefa e com investimento zero, exige-se paciência. Paciência porque, mesmo que você faça, a partir de hoje, um conteúdo bem legal e atraente para sua audiência, demora um bom tempo para que o algoritmo entenda que sua audiência está mais interessada em seu conteúdo e alcance mais pessoas de forma orgânica.

Se você não tem paciência, um caminho meio termo é impulsionar os posts mais interessantes (ou seja, que estimulam interações) para que alcance o maior número possível de usuários e, com o tempo, essas pessoas continuem interagindo com seu conteúdo, ou seja, você estaria montando o grupo de usuários da fase inicial da “cebola” do algoritmo. Contudo, aqui precisa ter essa verba disponível para esse impulsionamento inicial e também uma estratégia de conteúdo para garantir a continuidade das interações, já que não adianta começar com um conteúdo legal e, posteriormente, o conteúdo não agradar a audiência, perdendo usuários na “cebola” do algoritmo.

Para descobrir quais posts atraem mais engajamento e que, por isso, devem ser impulsionados, você pode olhar as métricas que temos no Facebook Insights e verificar quais posts possuem resultados que valham a pena serem impulsionados (quer aprender mais de métricas? Dá uma olhada no nosso curso NUMBERS aqui)

Mas e o algoritmo do Instagram?

O Instagram é uma rede social que, naturalmente, estimula engajamento. É muito fácil dar like em fotos, procurar por outros perfis e pesquisar por hashtags. Contudo, também possui um algoritmo, que vai te exibir os conteúdos que você, na teoria, mais se interessa.

Em uma apresentação realizada em junho de 2018, o chefe de produtos do Instagram explicou como funciona o algoritmo. Basicamente, é baseado em três fatores: interesse, recência e relacionamento.

Interesse é baseado no que você tem se engajado, ou seja, Instagram buscará conteúdos similares para te exibir.

Recência é a data da publicação, em que o Instagram vai buscar exibir conteúdos mais recentes de até uma semana.

Relacionamento é o grau de proximidade que você tem com os outros perfis, ou seja, o Instagram vai exibir mais conteúdos de usuários que você se engaja mais ou que reconhece que você é próximo, como usuários que você é marcado nas publicações.

Para marcas, a receita para aumentar o alcance é o mesmo do Facebook: estimular engajamento para que o conteúdo da marca seja exibido mais frequentemente para a audiência. Contudo, no Instagram, um perfil comercial não possui desfavorecimento perante um perfil pessoal, ou seja, o algoritmo não vai considerar se você é um perfil comercial (veja aqui o que significa ser um perfil comercial) quando for te exibir na timeline dos usuários, disputando de igual para igual com os perfis pessoais. Sendo pessimista, creio que logo o Instagram vai começar a tirar essa igualdade, assim como já fez no Facebook.

E como aumentar meu engajamento no Instagram?

Considerando que o algoritmo do Instagram funciona igual para perfis comerciais e pessoais, a receita é atrair engajamento através de conteúdo que estimule interações. Por exemplo, conteúdos que peçam a marcação de amigos nos comentários ou que incentivem a participação dos usuários.

Além disso, vale gastar um tempo pesquisando as hashtags mais usadas no Instagram e que fazem sentido para seu conteúdo. O Instagram limita até 30 hashtags por post e não pune conteúdo que usa esse limite. É importante pensar com cuidado as hashtags porque é uma das formas que o não-seguidor de seu perfil pode encontrar seu conteúdo.

Lembrando que também é possível impulsionar post no Instagram, mas precisa ser um perfil comercial. Ou seja, a tática de impulsionar conteúdos mais interessantes para formar a base de sua cebola do algoritmo também vale pro Instagram.

Conclusões

Entender os algoritmos é fundamental para você montar sua estratégia de conteúdo nas redes sociais. Sabendo jogar o jogo, você consegue tirar proveito de como seu conteúdo é exibido. Porém, é preciso paciência e muito planejamento, porque os resultados demoram para chegar. E também acredito que não há como ter resultados se não houver o mínimo de impulsionamento e anúncios nessas redes (se quiser aprender melhor como divulgar seu conteúdo via anúncios, veja nosso curso de SOCIAL ADS aqui). O Facebook e o Instagram sempre vão te forçar a impulsionar para você ter seu conteúdo exibido na timeline e é preciso entender também como otimizar seu investimento para ter os melhores resultados.

Mas isso é assunto pra outro post.

 

Fontes: Blog da quintly, Youpix, Canaltech