Google+

O valor de uma história bem contada

By Fernando Collaço , In , , ,

Mais do que uma simples aposta, o storytelling tem sido um recurso certeiro para as empresas que buscam uma inovação na forma de vender seus produtos e, acima de tudo, cativar o consumidor com seus valores e ideais. A prática, a qual em uma definição rasa e simplória, refere-se ao ato de contar uma história, acaba encontrando na junção com as áreas de marketing, publicidade e propaganda, um novo fôlego para sua existência, possibilitando novas experiências e usos, os quais tem trazido resultados cada vez mais surpreendentes.

Esse post surge como reflexo do curso intensivo de Storytelling, ministrado por Martha Terenzzo, Fernando Palacios e Bruno Scartozzoni na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) esse mês, e do qual tive a oportunidade de participar para, além de comprovar algumas coisas que já vinha estudando e desenvolvendo com o próprio criador desse blog, Gabriel Ishida, pude aprender muito sobre a utilização corporativa dessa ferramenta e a potencialização de negócios.

As marcas e produtos, quando envoltos em histórias que trabalham com os valores da marca através da criação de uma história bem embasada, com personagens e ambientação estrategicamente elaborados, acabam seduzindo e conquistando uma maior credibilidade do que uma propaganda que foca somente na exposição de números e dados, os quais muitas vezes acabam confundindo mais do que informando. Refletindo sobre nossa própria vida sob a égide de outros personagens e fisgados por uma verdade humana, um sentimento de pertencimento, sensibilização e identificação único, tomamos o atalho da empatia e muitas vezes chegamos ao ato final de compra, residindo aí o poder do storytelling.
   
A prática, que acaba encontrando ao mesmo tempo, um campo amplo de atuação, principalmente mediante o panorama atual de compartilhamento de dados através da rede, esbarra também no desafio de não criar apenas mais uma história enfadonha a passar despercebida. Para ilustrar rapidamente o que foi dito e de forma a não invadir o conteúdo do curso, abaixo um case interessante, analisado em sala de aula.



O case traz a conjunção do storytelling e de técnicas audiovisuais ambientando o arco dramático de um personagem, que visto primeiramente com antipatia, encontra uma oportunidade de emprego por outro, que enxerga seu verdadeiro potencial, demonstrando os valores visionários e positivos da marca e de seus serviços.

* Para saber mais, indico o grupo de Storytelling & Transmedia no Facebook, onde muitos textos estão compartilhados e muitos cases são debatidos pelos membros ativos. Além disso, indico os perfis do professores, já linkados acima, e a página do próximo curso, extensivo, o qual será ministrado a partir de Março.

2 comentários:

Aurélio disse...

Muito legal o texto. Parabéns, Fernando!

Gosto do storytelling aplicado às novas mídias. Se as histórias existem antes mesmo de existir qualquer mídia, não seria agora que deixariam de existir, né?

Recentemente, conheci o trabalho da Soap, uma empresa que explora o storytelling em apresentações empresariais. Não há o uso de tantas novas mídias, mas o que eles fazem com um Power Point em termos de storytelling é sensacional. Não sei se conhece; mas se não, fica aí a sugestão.

Muito legal o vídeo também. Parabéns novamente!

30 de janeiro de 2012 14:10
Fernando Collaço disse...

Vi sim, o Ishida me indicou o TED deles e a apresentação é sensacional. Acho que você, que mais do que ninguém, tá na área de criação de histórias, poderia pensar em algo nessa área, é bem promissor.

30 de janeiro de 2012 14:22

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...